sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

Mudanças no polo carioca

É impressionante como o universo e o mercado do polo aquático brasileiro são restritos. Acontecimentos em um único clube, mexem com boa parte da estrutura geral.
Recentemente, o C. R. Guanabara, que passa por seríssimos problemas financeiros, demitiu o treinador Paulo Rogério “Beiçola” alegando corte de despesas, atitude essa que faz com que os amantes do polo aquático temam pela modalidade naquele que é um dos clubes mais tradicionais do Brasil.
A situação não é nova, em 2004, no início da atual administração do Guanabara, o mesmo aconteceu e Paulo Rogério foi, na época, para o Tijuca T. C., junto com os principais atletas do clube. Durante os 3 anos seguintes (2004/05/06), o que se viu foi a gradual decadência do polo no Guanabara, que caminhava a passos largos para uma virtual extinção.
Em 2007, com a volta de Paulo Rogério e Rafael “Polegar”Farias à comissão técnica do GB, houve uma esperança de retomada de rumo. Contudo, mesmo com a volta desses profissionais, o polo do GB continuou passando por sérias dificuldades, sendo as principais, a total falta de estrutura e a dificuldade em atrair novos praticantes. Ao longo desses três anos, o GB se limitou, praticamente, a dois grupos de atletas: um time adulto, formado em sua maioria por atletas veteranos e ancorado no talento do centro Bruno “Negão”; e as gerações 95, 96 e 97, que representavam a grande esperança do clube em voltar a ter um polo forte num futuro próximo. Com a saída agora de “Beiçola”, essa esperança se esvanece, pois na esteira dessa crise, saíram também o treinador/atleta Rafael “Polegar” e o centro da Seleção Brasileira Bruno “Negão”, com isso, a base se dispersou, com alguns atletas indo para o Fluminense, outros seguindo o treinador “Polegar” no Botafogo e alguns anunciando a ida para o Flamengo.
Como dificilmente o Guanabara conseguirá reverter em curto prazo a total falta de estrutura atual (falta água, falta luz, falta material, falta limpeza, salários atrasados etc.), caso a modalidade sobreviva no clube, deverá ter um caráter apenas recreativo, deixando de participar das competições, o que nos leva a ter um Campeonato Carioca com, na melhor das hipóteses, 4 clubes por categoria.
A segunda maior cidade do país, um dos dois pilares do polo aquático nacional, tem apenas 4 clubes em que o esporte é praticado competitivamente! Fica realmente muito complicado pensar em crescer.
Esperamos que a médio prazo o Guanabara supere suas dificuldades e volte a fazer parte do cenário do polo aquático nacional com o destaque que sempre mereceu.

7 comentários:

Miguel Gonzalez disse...

Seria o momento para a FARJ agir, divulgar a modalidade. Acho que a Prefeitura (por causa dos Jogos de 2016) deveria fazer alguma coisa.

Não apenas no Guanabara, mas difundir a modalidade em outros clubes e cidades do Estado: não temos um time na Serra, Região dos Lagos...e o pólo precisa voltar com força total ao América, Guanabara, Bangu e se desenvolver na Zona Oeste.

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Sergio Moraes disse...

Clodoaldo,

A curto prazo a FARJ poderia voltar a permitir equipes B. Pelo menos teriamos mais jogos. Que é o que falta no polo, principalmente nas divisões de base e no feminino. Tb espero que o GB se levante breve.

abs

Sérgio

antonio disse...

BOM DIA AMIGOS,
PASSEI A MAIOR PARTE DA MINHA INFANCIA NO GB!! FUI ATLETA, MEU IRMAO UM DOS MELHORES NADADORES DO BRASIL, MEU PAI DIRETOR, E O GB UM POLO NACIONALMENTE CONHECIDO DE FORMADOR DE GRANDES CAMPEOES! AONDE ESTAO ELES NESTE MOMENTO DIFICIL DO CLUBE? AGORA E A HORA DE POR A CARA A TAPAAA, JUNTOS!! CADE A CBDA, CADE A FARJ, CADE OS MEIOS DE COMUNICACAO?
ANTONIO CANETTI
NAO PARA CHORAR A FRENTE DO CAIXAO,
E SIM SOCORRER UM CELEIRO DE CAMPEOES. CONTE COMIGO, O QUE EU PUDER AJUDAR, ESTAREI A DISPOSICAO!!!
UM FORTE ABRACO

Beto disse...

Deveria também ser cobrado da atual diretoria do clube aonde estão todos os troféus, medalhas, quadros c/ fotos de atletas (um acervo de mais de 50 anos!)que sumiram quando acabaram com a sala de troféus do clube. Afinal foram vitorias conquistadas por atletas que se dedicaram anos e anos! Acho que aí foi quando começou a decadência e ninguém se importou. Pelo que vi, quando estive no clube, a atual diretoria nem sabe direito que esporte é esse tal de "Polo Aquático"! Também fui atleta e lamento muito tudo isso. Será que o GB quer realmente nossa ajuda? Depois do que vi e passei quando estive lá, tenho minhas dúvidas...

marcelo (branquinho) disse...

Eu também acho que haveria a necessidade urgente de uma intervenção da CBDA e FARJ para disponibilização de verbas para a estrutura do Polo Aquático no clube de regatas guanabara.
Tanta verba está sendo destinada para as olimpíadas e copa do mundo que algo deveria ser destinado ao Polo aquático do Guanabara.
Um policial no Rio de janeiro ganhará quae 5 mil reais de salário por causa das olimpíadas, será que não existe alguma verba disponível para o Guabanara que foi durante anos o grande centro do Polo aquático carioca??
Está certo,o guanabara é uma entidade privada e a verba é pública, então uma alternativa, na minha opinião, seria colocar o Guanabara como centro de treinamento da seleção Brasileira/carioca de Polo aquático, e assim a verba circularia de uma maneira lícita e aprovada pelos órgãos competente e o polo aquático ganharia muito com a continuação do Polo aquático no Guanabara.
Sabem colega, uma idéia que pode ser adotada aí no Rio de Janeiro seria até procurar o Ministério Público e solicitar se exista a possibilidade de um ajuizamento de uma ação civil pública que teria como objetivo o fornecimento de verba para a formação de um centro olímpico do Polo aquático no Guanabara.
Boa sorte e que volte o polo no Guanabara amo aquele clube.

Sergio disse...

Pratiquei Polo Aquatico no Guanabara durante os anos 80 e tive, como técnicos o Beiçola e o Michel. Tenho que admitir que o Beiçola me inspirou e deu garra e força de vontade durante todos estes anos de treinamento. Conquistamos o campeonato graças ao trabalho quotidiano apesar da falta de conforto e meios do Clube. Valeu Beiçola e obrigado por tudo! Sergio Goulon Esmeraldo